Seminário de Finanças: Pr. Arão Xavier

Como podemos multiplicar as finanças? Esta é a pergunta inicial feita pelo Pastor Arão Xavier, do Estado de São Paulo, na continuidade de um conjunto de estudos, promovido na Ideps Águas Claras, sobre a temática Educação Financeira. O primeiro encontro (consultar em: https://www.ideps.org.br/site/noticias/detalhe.aspx?id=435) ocorreu em janeiro, quando o Pr. Arão ministrou sobre a conquista da saúde financeira. Naquele momento, alguns achados foram expostos e merecem relembrança: honre a Deus com todos os ganhos; capitalize vinte por cento das suas rendas; e reserve o dízimo em seus gastos pessoais, pois gastá-lo representa comer o fruto da árvore da vida (analogia com a história de Adão, Eva, jardim do Éden e fruto proibido).

Cinco meses depois, o Pastor retorna e declara que não nascemos escravos de dívidas. Liberdade também é ser livre de dívidas. Neste segundo momento, ele trouxe as reflexões pessoais expressas no seu livro "As 4 leis da multiplicação financeira", advindas das experiências pastorais e conversas com pessoas, bem como testemunhos colhidos em seus Seminários. Em todos os momentos, o Pr. Arão faz a relação entre o natural e o espiritual.

Disse o Pastor: dinheiro é uma semente natural. Tudo é semente e multiplica-se do mesmo modo que qualquer semente. A primeira lei, a da semente, exige o entendimento e a prática de três fatores: (a) plante a semente, conforme declarado em João 12, visto que é impossível a expectativa de grande colheita, ignorando a necessidade da plantação; (b) a semente deve ser morta, já que plantar por si é limitado. Jesus representa a única semente de filho, plantado na Terra e morto, na relação entre o mundo físico e espiritual: o Pastor chamou a atenção para a liberalidade na entrega da semente, de forma a entregar o dízimo sem questionamentos ou lamúrias. Em caso exemplar, Caim foi relembrado como aquele que ofereceu a parte ao Senhor de qualquer forma, sem atenção às primícias: a entrega passa pela generosidade; (c) toda semente reproduz conforme a sua espécie. O Pastor sublinha que não é só oração que altera a condição socioeconômica, mas uma combinação de fatores, entre os quais a plantação do dinheiro: por isso, conhecemos tantos "superespirituais" (como dito pelo pregador) que vivem de ajudas - talvez, não entenderam o fator plantação da lei da semente.

Já a lei do plantio é condensada por meio de quatro princípios, os quais merecem atenção. A semente plantada deve ter qualidade, ou seja, não ofertar o que se sobra (e se sobrar), em representação do dízimo como a primeira parte separada ao Senhor: qualidade é priorizar. Em outra direção, por exemplo, às vezes, a menor nota é apresentada como oferta; assim, longe do entendimento de qualidade. Neste fator, o caso dos empresários foi exposto: há muitos que entregam o dízimo a partir de um pró-labore estabelecido, ignorando o montante total dos lucros, bem distante da interpretação da soma de todas as rendas, sobre as quais o dízimo deve ser calculado.

A visão foi apresentada como o segundo fator da lei do plantio. Abraão disse que de tudo ele daria o dízimo. Jacó, antes de ser Israel, declarou que, caso fosse abençoado, o dízimo seria dado. São dois exemplos bíblicos sobre a visão do dízimo, em que a condicionalidade pode aparecer, o que determinará a envergadura da colheita. Por outro lado, sabemos que o tempo é fator determinante para um conjunto de coisas, de forma que cada semente exige variação de tempo de maturação: sementes maiores têm maiores intervalos de tempo de desenvolvimento e paciência na colheita. Logo, não condicione todas as sementes em saco único, elas têm particularidades que precisarão de maior fila de espera. Isso vale não só para o dinheiro, mas para outras áreas da vida, como trabalho, família, relacionamento amoroso. Ao finalizar a lei do plantio, o cuidado com a plantação não ficou de fora da explanação do Pastor. O gerenciamento foi apresentado como estratégia central ao enriquecimento, de forma a tomar conhecimento dos riscos e tomar as devidas atitudes para se conseguir o que se quer.

Caim e Abel voltaram a ser citados pelo Pastor. Enquanto Abel apresentou a liberalidade na doação com generosidade, de acordo com ensinamentos de Deus - as primícias; a oferta alçada de Caim fora rejeitada, este questionou a entrega, pensando: como tudo será queimado, entregarei qualquer coisa. Ao bater à porta, o pecado gerou consequências em Caim: ele foi tentado (o que não é pecado: entrego parte ou não entrego?) e resolveu pela desobediência. Foi provado no pensamento. A Bíblia registra que o semblante de Caim baixou e, como consequência, registrou-se o primeiro homicídio da História. Concebe-se o pecado quando decide não ofertar, muito embora os pensamentos sejam tentados.

Talvez você já tenha caído na cilada de que a fidelidade é mais alcançável a partir da posse de determinada condição socioeconômica. Em outras palavras, seria mais fácil entregar três mil reais de dízimo a entregar mil reais. O Pastor relembrou do conceito de fidelidade, independentemente do montante, quando frisou: quem é fiel no pouco, também é fiel no muito. Na famosa passagem de Lucas, trata-se da relação entre o homem rico e o seu mordomo, quando este foi acusado da dissipação dos bens.

Ainda que tenham diferentes interpretações deste texto, se o valor atribuído ao rico foi o correto, se ocorreu desonestidade ou prudência do mordomo, algo converge nas disputas teológicas: se alguém não é fiel com relação ao que pertence aos outros, por que deveria ser confiado a essa pessoa o risco de administrar suas próprias posses, em um contexto em que não há responsabilidade?, conforme expresso em Lucas 16.11-12. Em outro texto, Mateus 25.21, a fidelidade foi a virtude que foi examinada. Ao entregar os bens a três sujeitos diferentes, em quantidades diferentes, abençoados por Jesus foram aqueles que negociaram e granjearam outros bens; aquele que enterrou, foi severamente criticado e punido.

Em dois fatores básicos, a lei do investimento vem como alerta aos gastadores. O Pastor ponderou a necessidade de poupar parte dos ganhos, na orientação básica já compartilhada com a Igreja em janeiro - capitalize um quinto dos ganhos, se o interesse for aplicar fator multiplicador à soma de suas rendas. Pr. Arão chama atenção: capitalizar e doar não são conceitos paradoxais, mas complementares. Do mesmo modo que há a necessidade de orar e perfilar sentinelas, a combinação consumo pessoal, plantio e armazenamento não deve ser negligenciada na experiência de vida financeira próspera. O fundo de reserva salvou o reinado de José e foi fundamental a ajudar os familiares traidores da grande fome que assolava o mundo à época.

Se reservar faz parte, desfrutar de parte da colheita é necessidade imperiosa para a conquista do bem-estar de modo integral. A partir da sua leitura (há diferença na literatura não cristã), o Pastor destacou as diferenças conceituais entre pobreza e miserabilidade, este classificado como o indivíduo avarento. Um alerta nesta matéria: não faça o que não se pode, mas desfrute, de modo consciente e planejado.

A última lei (colheita) deixa claro que, independentemente da sua capacidade de trabalho, o que ocorre em sua vida é presente de Deus, é resultado de milagres. Como especialista em promover interpretações equivocadas da realidade, o Pastor ponderou que Satanás tem confundido a igreja na utilização de determinados termos. O Pastor Arão aproxima os termos interesse e propósito, ele afirma que Deus tem interesse e, do mesmo modo, também devemos ter. Toda a argumentação foi no sentido de afirmar que devemos abandonar a ideia de que há pecado na promoção da oferta com interesse. Isso não quer dizer que devemos ser interesseiros, conceito este que abarca procedimentos reprováveis em qualquer relacionamento interpessoal. Atenção na diferença dos conceitos, já que pode muito dizer quem realmente somos.

Devemos sim buscar vantagens pessoais (acadêmica, profissional, familiar, pessoal, financeira), muito embora a conquista de determinadas coisas não é fruto de desejo meramente pessoal, penso que exige posicionamento espiritual, mas também tem a ver com oportunidade, papel da família, da sociedade e do Estado. Em mente e na aplicação das vantagens, no entanto, a diferença entre as pessoas comparece sem máscaras. Entenda, portanto: nem todo interesse é negativo!, disse o Pastor Arão.

Deus deixa claro que há medidas diferentes, de forma que toda medida tem efeito multiplicativo diferenciado. Ao sair da zona de conforto na doação, o Pastor defende que maiores doações desatam maiores colheitas. É sacrifício, custa, mas promove outro padrão de colheita. No fim, o pregador fez a diferença entre primícias e dízimo. Ao trazer para os dias atuais, ele defende que primícias é a primeira oferta de um ciclo de trabalho (colheita), ou seja, todo o valor recebido no mês dividido por trinta (número de dias no mês): isso é a primeira oferta, o primeiro resultado (um dia de trabalho, o primeiro dia). Após isso, faz-se o cálculo do dízimo. Há interpretações diferentes sobre isso: há pastores que defendem as primícias como a primeira parte e parte integrante do dízimo.

Tema urgente na sociedade, num contexto de tantas crises financeiras (elas estão aí), que promovem desemprego estrutural, rebaixamento salarial, perda de direitos dos trabalhadores e redução dos lucros empresariais, o seminário contribuiu para alertar a igreja sobre a necessidade do fortalecimento espiritual com planejamento financeiro, com aplicação das quatro leis básicas para as finanças serem multiplicadas. Aplicar as leis é o caminho para o afastamento de arrochos na área. Não nos enganemos, entretanto: o cenário de acesso à renda tem assolado a igreja, teremos uma massa de formados sem oportunidade de trabalho. Não existe riqueza sem a exploração da força de trabalho, seja a própria ou a do outro. De posse de todo este conhecimento, relembremos: se não quiser trabalhar, não coma também. Isso é forte e consequência do próprio pecado. Já tivemos dois encontros com o Pastor Arão Xavier e, no fim do ano, nova ministração, com novos conhecimentos sobre finanças, já está agendada.

 

 

 

 



 

 

 

 

"

© Copyright 2012/2018 - IDEPS | Todos os Direitos Reservados.